Revolução Silenciosa

“Ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares… E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”. (Mateus 24:6, 7 e 12)

Passagem ilustra nossos dias de guerra, conflitos, ódio e desigualdade.  O que esperar deste mundo de maldade. Deste mundo preso a si mesmo, tão cego que não pode ver outro. Mas o outro é instrumento apenas da felicidade, prazer, bem estar não importando o custo.

O que esperar de uma sociedade perdida em muitas vozes e gritos que acham que a violência e movimentos podem mudar este curso de maldade?

Esquecem-se de todas as vozes e movimentos já levantados num passado recente, porém o horizonte continuou impregnado de maldade.

Aonde se refugiar se o homem parece ter uma natureza maligna, um desejo por destruir, explorar num ritmo tão acelerado que nos faz duvidar até onde podemos chegar neste atual mundo?

Por isso nossa esperança não deve estar voltada em nós, mas em Deus.

Pois por meio Dele todas as coisas podem ser alteradas.  Um novo reino Ele proclama, reino de princípios e valores, uma revolução silenciosa, praticada por novos valores que refazem nossa maldade, vista debaixo para cima.

Revolução esta que deve ser anunciada novamente pela sua embaixada, conhecida como igreja. Porém a igreja tem estado muito ocupada tentando julgar o mundo ou fazer parte dele. Pois ela não está para anunciar um crediário da fé, mas a Palavra que faz o homem redirecionar seu para caminho para justiça de Deus.

Essa é a verdadeira revolução, feita com mudanças de práticas de nossa sociedade.

O que rouba não roube mais, o que explora não explore mais, o que mente não minta mais.

Se nossas práticas cotidianas não mudarem nosso prisma continuará o mesmo, apenas mudará a face de nosso governo ou sociedade, mas as práticas continuaram as mesmas.

Ore: “Senhor ajude esta nação e a sua igreja a retomar seus princípios e valores, assim curaremos nossa dimensão de desigualdades, exploração e fome. Em nome de Jesus, amém”.

Texto: Lucas Vicente.