Quem quer viver dias felizes?

“10Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente; 11aparte-se do mal, pratique o que é bom, busque a paz e empenhe-se por alcançá-la.” (1 Pedro 3.10-11).

A MENSAGEM DIÁRIA fala sobre a felicidade em nossas vidas. Amar a vida e ver dias felizes! Quem não quer?

O apóstolo Pedro escreveu esta orientação as famílias, as orientado a viver melhor. Escreveu este versículo aproximadamente 30 anos após a ressureição de Cristo.

A Igreja Primitiva, sofria inúmeros ataques, porém os apóstolos viajavam encorajando os novos convertidos e edificando-os nos ensinamentos de Jesus.

O apóstolo Pedro nos dá alguns conselhos de como podemos viver dias felizes: PENSE MAIS ANTES DE FALAR!

A maior parte dos problemas que enfrentamos são problemas de relacionamentos.

São inúmeros: problemas entre marido e esposa, pai ou mãe, filhos, amigos etc. Por não controlarmos as nossas palavras ferimos pessoas que amamos. Estas são as que mais nos relacionamos e falamos, são aquelas que estão mais perto; nossos familiares, magoamos estas pessoas pelas palavras ríspidas, duras, insensatas.

Cria-se um ambiente ruim onde convivemos seja em casa, no trabalho, nos relacionamentos de amizade. Por isso Pedro aconselha: Quem quer amar a vida tem que pensar mais do que falar!

Seus problemas vão diminuir de uma maneira eficaz se simplesmente você controlar sua língua. Falar bem é o princípio!

ASSISTA AO VÍDEO!

ORAÇÃO: Pai obrigado por ter nos dado uma família, amigos, irmãos. Nos ensine a viver uma vida de paz. Abra nossos olhos estes dias para vermos quanta coisa boa tem ao nosso lado e ao nosso redor. Ensina-nos a não sermos críticos com as pessoas, e sim abençoadores, edificadores, incentivadores. Que da nossa boca não saia nenhuma palavra que fere, mas apenas palavras que edificam e transmita graça aos que nos ouvem. Nos ensine a investir nosso tempo em vidas e não em coisas. Dá-nos um coração perdoador como é o Teu Senhor. Oro no nome de Jesus.

Texto: Mônica Guimarães Vicente.