Quem Ele É

 “Demorando-nos ali por muitos dias, desceu da Judeia um profeta chamado Ágabo. Ele chegou com o propósito de falar conosco, e assim que nos encontrou, tomou o cinto de Paulo e, amarrando os seus próprios pés e mãos, profetizou: “Assim diz o Espírito Santo: ‘Desta maneira os judeus em Jerusalém amarrarão o homem a quem pertence esse cinto e o entregarão nas mãos dos gentios!’” Assim que ouvimos tal revelação, nós e todo o povo local suplicamos a Paulo que não subisse para Jerusalém. Então Paulo declarou: “Por que fazeis isso? Não choreis, pois assim fazendo, partis meu coração! Eis que estou pronto não apenas para ser amarrado, mas também a morrer em Jerusalém pelo Nome do Senhor Jesus!” Assim, como não nos foi possível demovê-lo, aquiescemos e exclamamos: “Faça-se, pois, a vontade do Senhor!”  Havendo passado aqueles dias, preparamos as cavalgaduras e subimos rumo a Jerusalém“. (Atos 21. 10 – 15 – KJA*)

Nesta passagem Paulo estava terminando a sua segunda viagem missionária, que deveria terminar em Jerusalém para levar uma oferta das igrejas helênicas socorrendo a igreja em Jerusalém. Pois esta estava passando por um longo período de secas e problemas na colheita.

Além de entender que lá deveria receber o aval para uma terceira viagem missionária para Roma, contudo ao mesmo tempo haveria grande risco, uma vez que Paulo já seria grandiosamente conhecido, não só por deixar o poder do templo e da família sumo sacerdotal, que representava perseguindo a Igreja. Mas por ensinar uma religião oriunda do judaísmo, onde os gentios (não judeus) que convertessem ao cristianismo, não precisava obedecer as tradições de pureza.

Assim tornando ao judeu ortodoxo, como os fariseus, um violador legal dos decretos de Deus.

Sendo assim, os principais grupos político-sociais de Jerusalém não estavam contente com Paulo, e ir ao centro do poder destes grupos, era um grande risco, em vista disso os irmãos de Éfeso, Fenícia e Cesárea haviam recomendado não ir até lá.

É Então, que em Cesárea, Paulo recebe a profecia apontada na passagem bíblica acima, de Ágabo, que se descesse sofreria muitas dores, mesmo assim não deixou seu percurso. Pois estava sendo impulsionado pelo Espírito a ir.

Já que a imagem do que Deus era e podia fazer, era maior do que o medo da perseguição e até da morte.

Desta forma, Paulo sobrevive a todo tipo de armadilha, e é inocentado da causa dos judeus levantados em Jerusalém, e ainda seu julgamento apelado para Roma, permitiu consolidar a missão em cristã na cidade.

Portanto, devemos assim como Paulo, lembrar não de nossa realidade, de nossos medos, dores, dificuldade, e sim de quem é nosso Deus e até onde vão suas palavras.

Pois tudo está em seu controle e vontade, e se for necessário perdermos, sofremos e até morremos, será para sua glória e para um bem maior de que nossa vida jamais representou.

Texto: Lucas Vicente

* Tradução: King James Atualizada.