Perder a Túnica Mas Não o Caráter

Então ela, pegando-o pela capa, lhe disse: Deita-te comigo! Mas ele, deixando a capa na mão dela, fugiu, escapando para fora”. (Gn. 39.12 – ARA*).

José, era o primeiro filho de Jacó com Raquel, seu 11° filho. Filho de sua velhice, quais seus irmãos venderem por inveja para os ismaelitas como escravo, e assim foi parar no Egito, como escravo do chefe da guarda imperial de Faraó.

Potifar seu senhor, percebeu que tudo nas mãos de José prosperava, assim rapidamente o colocou para cuidar de todos seus bens, no campo e em sua casa.

José chega aos 17 anos, numa terra totalmente estranha aos seus princípios, diversos deuses, ídolos e valores. Abandonado e escravizado, por cerca de 13 anos, dos quais 11 passa na casa de Potifar.

Neste ínterim de sua adolescência a vida adulta, mesmo isolado de qualquer convívio com o povo hebreu, de seu pai, que ensinava sobre Deus e sua lei oral, José não deixou mudar seus valores, seus princípios e seu relacionamento com Deus. Parece que a passagem escrita por Paulo em Romanos 12.2, (vista abaixo) foi quase dirigida para sua vida:

“E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. (Rm. 12:2 – ARA*).

Pois José percebeu que viver com Deus, não significa uma vida sem dores, dificuldades, mazelas (Ec 3), mas que em qualquer delas, Deus estaria com ele (Sl. 23, Mt. 29.20), ao seu lado, fazendo cada experiência forjar seu caráter, levando suas obras glorificarem a Deus (I Cor. 3.15 e Mt. 5.17). Por isso, o termo que o livro de Gênesis mais repete ao contar a história de José, era que Deus estava com Ele, cerca de 12 vezes, porque as pessoas podiam vê-lo em sua vida.

Mesmo passando por situações como a da tentação da mulher de Potifar, pois quando José ficou adulto, a mulher de Potifar começou a pedir diariamente para José se deitar com ela, contudo José em todas as vezes a refutou. Até que certo dia, a mulher de Potifar prepara uma armadilha, ao deixar toda casa vazia, somente com José, avança sobre ele agarrando suas roupas, no entanto, José a rejeitando foge, deixando sua túnica nas mãos dela.

Quantas vezes neste mundo nos situamos como José, em meio as tentações, mas quantas vezes estamos preparados para perder a túnica e não perdermos nosso caráter, nossos valores, nossa integridade. Pois é de valores que constitui o Reino de Deus, se perdermos nos transportamos para império do pecado, assim contribuímos não só para estar longe de Deus, mas para o mundo continuar na escuridão que hoje se encontra.

Então, José foi um homem de princípios, que não só rejeitou a mulher de Potifar, todavia mudou a história da antiguidade, a decifrar o sonho de Faraó e resolver o problema de 7 anos de prosperidade e 7 anos de fome, permitindo salvar o Egito e toda região da Ásia menor da fome.

Portanto, nós também podemos ser como José, ao seguirmos o propósito que Deus nos indicou para mudarmos a história. Cabe então ficarmos acordados e vivendo nosso alvo, e não deixarmos nosso chamado e valores serem sucumbidos e enterrados pelo império do desejo e prazer que o mundo nos oferece. Então acordamos do sono do Pecado e vivemos nosso propósito.

Texto: Lucas Vicente.

* Tradução: Almeida Revista e Atualizada.