Os Fins Justificam os Meios?

Não penseis que vim trazer paz a terra; não vim trazer paz, mas espada”. (Mateus 10.34).

A vida e seus valores, seus padrões, seus conceitos, suas fórmulas, meios que nos fazem enxergar a vida. Assim construímos nossa vida por um conceito, um meio, para se viver.

Contudo muitas vezes somos tentados a retomar nossos caminhos, por meio de fins individuais, que não se importam com os meios ou valores, para construção do nosso futuro.

Então a célebre frase de Maquiavel “Os fins justificam os meios” ainda nos assombra.

Induzindo-nos a termos ações não se importando com os meios, desde que chegamos a um fim proveitoso.

Neste ponto que nos dividimos do mundo, como Cristo nos ensina acima, devemos fazer guerra aos valores deste mundo.

Não podemos dar ouvidos, segui-los, pois a sociedade racional não tem se importando como tem feito seu trabalho, suas amizades, sua família. O que importa é o fim, para cada um destes espaços sociais.

Desvirtuando os valores reais de Cristo, que nos chama: amar, ajudar, ouvir, esperar.

Então os espaços socias não são redes que nós utilizamos para fins de interesse, nossa vida não pode ser construída por fim, não se importado com as consequências. Mas deve ser formada por uma pergunta, Como?

Como viver? Como trabalhar? Como progredir?

Pois para chegarmos a um fim, é importante o meio, importante às vidas, nossas amizades, nosso trabalho e a nossa comunidade. Portanto a construção do nosso mundo deve vir construída de valores de Cristo para realmente chegarmos a um fim verdadeiramente proveitoso.

Ore: “Senhor, me separe dos valores deste mundo, e da minha vontade, mas que o teu querer e a tua vontade cresça e se renove todos os dias em minha vida, em nome de Jesus, Amém”.

Texto: Lucas Vicente