O Lutador de Deus – Cristmans Evans

“Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna, para a qual você foi chamado a fazer a boa confissão na presença de muitas testemunhas.”       1 Timóteo 6. 12 (NVI).

 

Evans nasceu no País de Gales, no Reino Unido, no dia 25 de dezembro de 1766, dia de Natal, motivo para o qual, seus pais dessem o nome a ele de Christmas, que significa Natal, em inglês.

 

Enquanto ele crescia, sua estrutura física também se avantajava perante os outros, pois era o mais alto e forte de sua comunidade, acima dos dois metros de altura. Em sua mocidade tornou-se briguento e vivia se embriagando e criando confusão. Pois devera, por ser corpulento e de força descomunal, sempre sendo vitorioso em suas contendas. Mas isso acarretava sérios danos, como sendo esfaqueado, lançando nas águas para se afogar, até, por conseguinte perder uma vista. Deus, contudo, fora misericordioso durante esse período, guardando-o com vida para, mais tarde, fazê-lo útil no seu serviço.

 

Ou seja, aos 17 anos, já havia aprendido a ler, e com isso aprendeu a Palavra de Deus, e sua vida foi transformada, não muito tempo depois, foi chamado para pregar e separado para o mi­nistério. Mas, no entanto, seus sermões, eram secos, não levavam as pessoas à uma transformação verdadeira. Porém isto não durou muito tempo, em uma viagem para Maentworg, desceu do seu cavalo e en­trou na mata onde derramou a sua alma em clamor a Deus.

 

Assim como a luta de Jacó com Deus, Evans estava disposto a ficar ali até receber a sua benção. Depois daquele dia, ele nunca mais foi o mesmo, ele reconheceu a grandeza da vontade de Deus para a sua vida, e agora sempre se regozijava nas orações, erguia um cântico novo ao Senhor, e podia ver os frutos desta transformação. Evans era corajoso como um leão e humilde como um cordeiro. E diziam a seu respeito: “Tinha um olho só; se há razão para dizer que era olho, pois mais propriamente pode-se dizer que era uma estrela luzente, brilhando como Vênus”.

 

Christmas, era conhecido como “o pregador caolho”, e também foi chamado, de “O João Bunyan de Gales”, porque era o pregador que na história desse país, desfrutava mais do poder do Espírito Santo. Nos lugares onde pregava, havia grande número de conversões. Seu dom de pregar era tão extraordinário, que, com toda a facilidade, podia levar um auditório de 15 a 20 mil pessoas, de temperamento e sentimentos vários, a ouvi-lo com a mais profunda atenção. Nas igrejas, não cabiam as multidões que iam ouvi-lo durante o dia; à noite, sempre pregava ao ar livre, sob o brilhar das estrelas.

 

Enquanto isso, Evans reconheceu a sua vida transformada, quando ele se humilhou perante o Senhor, e que devemos trazer para o nosso dia a dia, nosso cotidiano, a luta em oração, a busca incessante de Deus. Foi quando dessa entrega, um grande lutador em um corpo gigante, aos olhos humanos, se transformou em um espirito gigante, repleto de intrepidez e ousadia para pregar a Palavra de Deus. Agora ele tinha se tornado corajoso e intrépido, como um leão, porém, humilde e manso como cordeiro, vivia para a glória de Jesus Cristo.

 

 

Christmas, moveu os quatro cantos do País de Gales. Conta-se a seu respeito que: “em certo lugar, havia três pregadores para falar, sendo Evans o último deles. Era um dia de extremo calor, os dois primeiros pregadores fizeram longos sermões, de tal forma que os ouvintes ficaram exaustos, porém após Evans ter pregado cerca de quinze minutos, sobre a misericórdia de Deus, baseado na parábola do Filho Pródigo, centenas das pessoas que estavam sentadas ficaram em pé, alguns chorando outros orando sobre grande angústia. Naquele dia foi impossível continuar o sermão, o povo continuou a orar e a chorar durante o dia inteiro e de noite até o amanhecer.”

 

Em conclusão, após 53 anos de seu ministério, em 1838, contando com 71 anos de idade, em seu ultimo sermão do dia, já era a sua terceira pregação, despediu-se da congregação, como o fazia regularmente no final do dia, dizendo: “Este é o meu último sermão!”  Em suma, este seria o seu último sermão de sua vida, pois adoeceu, e uma semana depois, na casa do Reverendo Davies, que o hospedava, depois de repetir um hino galês favorito, acenando para aqueles que o cercavam, ele disse: “Prega Cristo! Adeus! Adeus!”. E faleceu.

 

A morte de Christmas Evans foi um dos eventos mais solenes de toda a história do Principado de Gales, que não esqueciam dos sermões proferidos, e cheios do fogo do Espírito Santo, pregado por um verdadeiro “Lutador de Deus”. (1766 – 1838)

Oração: Pai Amado, Pai Querido, que eu possa combater o bom combate da Fé, para o meu chamado, segundo o Seu propósito. Eu oro em o nome de Jesus.

 

Vídeo e texto de Gregório Vicente
*Baseado no livro Heróis da Fé, de Orlando Boyer, páginas 89 a 93; editora CPDA.

 

* Gregório Vicente é Pastor, teólogo, escritor, administrador de empresa, casado há 39 anos , tem dois filhos casados e duas netas.