O Limite Da Liberdade Cristã

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.” (1 Coríntios 6.12, ARA).

INTRODUÇÃO

Como vimos na lição anterior, a liberdade é algo que todo o homem anseia, mas por mais que este esteja livre de outro homem, ou aparentemente vivendo num sistema de liberdade, que hoje chamamos de democracia, este ainda esta preso, é escravo do pecado (João 8.34). Mas até a liberdade humana tem um limite, senão viveremos num sistema sem regras, numa anarquia.

A verdadeira liberdade, o ser humano só encontra em Cristo, nosso Senhor, que nos liberta do poder do pecado, e nos torna verdadeiramente livres.

            Mas até qual o limite da liberdade cristã? Vamos refletir sobre o assunto.

O LIMITE DA LIBERDADE CRISTÃ

Vamos fazer uma análise exegética do texto de 1 Coríntios 6.12, primeiramente lê-lo em várias versões:

•  TPC91R: “Tudo me é permitido”, mas nem tudo é conveniente. “Tudo me é permitido”, mas não me posso deixar dominar por coisa nenhuma.

•  RA: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.

•  RC95: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.

•  BEARA: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.

•  NTLH:  Alguém vai dizer: “Eu posso fazer tudo o que quero.” Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: “Posso fazer qualquer coisa.” Mas não vou deixar que nada me escravize.

•  NVI: “Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém. “Tudo me é permitido”, mas eu não deixarei que nada me domine.

Agora a análise etimológica das palavras principais (que estão negrito e itálico) em grego:

•  Lícitas (exesti): é permitido;

•  Convêm (sumphero): carregar ou levar junto; ajudar, ser produtivo ou útil;

•  Dominar (exousiazo): ter poder ou autoridade; ser mestre de alguém ou do corpo; ter plena e inteira autoridade sobre o corpo e mantê-lo sujeito à própria vontade; ser trazido sob o poder de alguém.

Pode se observar que a liberdade cristã tem um certo limite, este denominado pela conveniedade de algo, se isto que irá fazer edifica, é correto, serve para alguma coisa? Outro fator determinante é o domínio, se algo que você fazer, ou faz te domina, então não procede de Deus, e tem que abandoná-lo (Leia Gálatas 5.1).

CONCLUSÃO

Leia Romanos 14, dos versículos 13 ao 23. Devemos como cristão usar com sabedoria a liberdade que nos foi conquistada em Cristo para que não sejamos pedra de tropeço para alguém (Levíticos 19.14). Não podemos também usar da liberdade cristã para trazer mais julgo sobre as pessoas e dominá-las (Leia Gênesis 1.26).

A liberdade em Cristo é caracterizada pela paz interior, onde habita o Espírito Santo (Leia 2 Coríntios 3.17, 2 Timóteo 1.14), e que traz em sua vida um testemunho de um verdadeiro filho de Deus, co-participante do Reino, em todos os lugares por toda a vida (Leia Atos 1.8 e Apocalipse 12.11).

Texto: Thiago Vicente.

*ARA – Almeida Revista e Atualizada.