Não É Apenas Viver?

“Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele, iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza da glória da sua herança nos santos”. (Efésios 1.17-18)

A vida é uma esteira produtiva, qual somos formados, para estudarmos, trabalharmos, casarmos e formarmos uma família.

Mas será que é apenas isso, sermos exclusivamente uma ignição neste sistema do trabalho?

Vivermos uma vida programada sem sentido, onde permanecemos num estado continuo de coma, entre o consumo e os ruídos da televisão.

Nossa vida está para além do trabalho, do dinheiro e das posses.

Pare onde estiver, escute, deixe a melodia penetrar sua mente, de uma lembrança esquecida pelas diligências do sistema. Ela te recorda de uma vocação, de um sentido, um caminho, além de si mesmo.

Este chamado e vocação que Paulo se refere, na passagem bíblica acima, é algo que muda não só nossa vida com o sentido, mas é um instrumento de transformação a este sistema humano maligno.

Um caminho quebra o sistema produtivo do trabalho, pois não é vinculado ao dinheiro, ao consumo, ter e ser, mas no prazer de fazer diferença ao outro.

Não que o trabalho e a família não fazem parte de nossa vida, mas não podemos viver sem sentido alienados nesta cadeia produtiva, do trabalho e do consumo.

Para isso é necessários pararmos um pouco nosso ativismo, ouvirmos a voz de Deus ecoando nossa vocação, nosso sentido, outrora já revelado, mas perdido na ânsia do ganhar e ter.

Ore: “Senhor abra os olhos do nosso coração e revele nossa vocação e chamado, para assim vivermos uma vida com sentido, capaz de mudar o horizonte do presente, em nome de seu filho amado Jesus, amém”.

Texto: Lucas Vicente.