Língua

“Ao Rei consagro o que compus; a minha língua é como a pena de habilidoso escritor”. (Salmos 45.1).

 Como tem saído ás palavras de nossa boca? O que temos falado das pessoas e das situações que passamos?

Existe uma lei no qual tudo o que plantamos colhemos. As palavras são sementes o que plantamos hoje é o que colhemos amanhã, ou quando menos esperamos. Como diz a palavra: “Não vos enganeis, de Deus não se zomba, pois tudo o que o homem semear, isto também ceifará” (Gálatas 6.7).

Para toda atitude existe uma consequência.

Fale bem de você,de sua família, do seu trabalho, dos seus amigos, do seu chefe, e do seu empregado. Recuse ouvir e falar mal dos outros. O nosso ouvido é precioso para ouvir qualquer coisa.

Ore: “Senhor ajuda-me a domar e a refrear minha língua todos os dias, que dos meus lábios somente saiam palavras para abençoar, encorajar e bendizer. Em nome de Jesus”.

 Texto: Vivian Vicente

Obs. E para manter essa palavra viva em seu coração medite em, Tiago 3.8-14.

“8 Mas a língua, nenhum homem a pode domar. É um mal irrefreável; está cheia de peçonha mortal. 9 Com ela bendizemos ao Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. 10 Da mesma boca procede bênção e maldição. Não convém, meus irmãos, que se faça assim. 11 Porventura a fonte deita da mesma abertura água doce e água amargosa? 12 Meus irmãos, pode acaso uma figueira produzir azeitonas, ou uma videira figos? Nem tampouco pode uma fonte de água salgada dar água doce. 13 Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom procedimento as suas obras em mansidão de sabedoria. 14 Mas, se tendes amargo ciúme e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade”.