Humanos

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia”. (Mateus 23.27, ACF) 

Seria esse o retrato da nossa humanidade?

Vivemos um tempo onde muito se fala de amor ao próximo, de ajudar aos necessitados, amar o próximo na teoria é tudo muito bonito, mas se forem apenas palavras de nada adianta.

Infelizmente vemos isso também dentro das nossas igrejas, onde falamos em amor, em paz em fazer e o que é correto, mas muitas vezes o que fazemos é julgar, apontar o dedo e encontrar um culpado ou arrumar uma desculpa para não fazer o que deveríamos.

Não podemos agir como o sacerdote e o levita da casa de Deus, da parábola do bom samaritano que passaram de largo; será que eles estavam muito ocupados ou atrasados? Deviam ter muitos afazeres e não estenderam a mão ao necessitado.

“E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão; E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre o seu animal, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele; E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar. Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira”. (Lucas 10.30-37, ACF)       

Muitas vezes usamos a própria igreja ou a bíblia como desculpa, deixamos de estender a mão ao próximo, pois temos horários, compromissos, reuniões e nos esquecemos do verdadeiro amor ao próximo.

Não podemos ser como sepulcros caiados, belos por fora e imundos por dentro, usar uma máscara de Cristão, pois Deus sonda e conhece a verdadeira intenção dos nossos corações.

Ore: “Pai, eu não quero viver um evangelho apenas de palavras, quero viver um evangelho de atitude, quero ser aquele que se coloca na brecha quando for necessário e ajuda-me a ouvir a Tua vontade e conhecer os Teus propósitos para mim. Em nome de Jesus Cristo, Amém“.

                                                                                                        Texto: Maxwell Heber.

*ACF – Almeida Corrigida e Revisada Fiel.