Eu Procuro Misericórdia e Perdão

“Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos, não teríeis condenado inocentes”. (Mateus 12.7).

Neste momento Cristo está aplicando a lógica dos mandamentos de Deus, que tem como pressuposto inicial fazer o bem, ter misericórdia e perdão. Algo que os Fariseus não compreendiam, pois se limitavam a lei (resumido na torah, o Pentateuco) e na Talmud e midrash (livros orais mantinham suas doutrinas e interpretações da lei).

Quando colocamos certas doutrinas acima do amor das pessoas e do bem ao próximo, esquecemos o verdadeiro sentido da lei. A lei não é feita para condenar, maltratar e matar. Mas ela existe para ser lâmpada para os nossos pés, que nos empurram para fazer o bem.

É para este ponto que Cristo nos leva.

Mas muitas vezes estamos mais presos em condenar o próximo, critica-lo e apontarmos o dedo como se fossemos seres superiores. Ou estamos cegos em nossas próprias doutrinas, e em nossos muitos compromissos na igreja e de nós mesmos, que nos esquecemos das vidas e do próximo.

Vidas, amor, perdão e misericórdia, estas são as palavras que não podem se distanciar do nosso coração e do nosso caminho. E então seremos pessoas com o coração de Deus. Pois como salmista disse:

Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado (dependente da justiça de Deus), e salvo os contritos (arrependido) de espírito. (Salmos 34.18)”.

Como no próprio exemplo de Jesus, que amou o pecador, curou os enfermos e libertou os cativos, por amor, por misericórdia e perdão.

 Será que vemos as vidas como ele vê?

 Ore: “Senhor me ajude a ver além de meus conceitos, compromissos e vontades, mas que eu possa viver para fazer o bem, praticar o perdão e o amor. Em nome de Jesus, amém”.

Texto: Lucas Vicente.