Esvaziando

Porquanto, mesmo havendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças; ao contrário, seus pensamentos passaram a ser levianos, imprudentes, e o coração insensato deles tornou-se em trevas. E, proclamando-se a si mesmos como sábios, perderam completamente o bom senso. Além do mais, considerando que desprezaram o conhecimento de Deus, Ele mesmo os entregou aos ardis de suas próprias mentes depravadas, que os conduz a praticar tudo o que é reprovável. Então, tornaram-se cheios de toda espécie de injustiça, maldade, ganância e depravação. Estão empanturrados de inveja, homicídio, rivalidades, engano e malícia. São bisbilhoteiros, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, arrogantes e presunçosos; vivem criando maneiras de praticar o mal; desobedecem a seus pais;  são insensatos, desleais, sem amor e respeito à família, sem qualquer misericórdia para com o próximo.  E, apesar de conhecerem a justa Lei de Deus, que declara dignos de morte todas as pessoas que praticam tais atos, não somente os continuam fazendo, mas ainda aprovam e defendem aqueles que também assim procedem. (Romanos 1. 21 -22; 28-32 – KJA*)

Choro, dor, maldade, caminhos, passos, multidões correm sem saber para onde vão. Deixando de lado os rostos que passam como figuras, objetos, suas expressões não importam. Pois não podemos perder o passo, temos que continuar nossa incontida jornada para lugar nenhum.

Talvez este lugar que continuamente buscamos, esteja nas esteiras de um shopping, ou num banco de um carro, ou no ilustre nome de nossa graduação. Pode ser também na dimensão de números de nossa conta bancária. Contudo na verdade, quando o dia acaba percebemos que este colorido de imagens eram ilusões, paixões passageiras que desmancham com o tempo.

Então o que poderá guiar nosso passo, diante desta humanidade limitada?

Abrimos os nossos olhos e coração para além dos muitos “eus” e “desejos próprios” que aprisionam nosso coração na jaula de nossa individualidade, qual nos impedem de ver outro.

Pois como mostra texto Paulino acima, neste coração humano cheio de si mesmo, é que constrói uma humanidade perdida em suas paixões. Já que seus olhos estão escurecidos para perceber o que realmente e melhor para o outro. Uma vez que seu Deus, é o prazer, por isso prática todos atos possíveis, para alcança-lo não importando qual será seu custo.

Ainda tornando está prática cultural o modelo a ser seguido, no entanto não percebemos que está prática não nos leva a lugar nenhum. Além de uma vida incompleta e vazia, que constrói um mundo mal e perdido.

Por isso, a única maneira de mudar este caminho, é apreender todos os dias se esvaziar de si mesmo, de suas paixões, desejos, ações, reações, depurando-as para ver o que realmente e necessário, verdadeiro, para assim também poder visualizar o outro.

Então reconhecendo quem somos em Deus, que conhecemos o verdadeiro caminho, um caminho para além de si, e que começa no outro. E assim, vislumbramos para além da materialidade, focando a eternidade, no qual a multidão de vozes perdidas e abafadas pelos nossos passos perdidos em nosso ego, agora, podem ser escutadas, alimentadas e amadas.

Ore: “Senhor nos ajude a esvaziarmos de nós mesmo, de nossos desejos descontrolados pelo novo, pelo nosso bem estar somente, nos ajude a ver e ouvir ao outro, para vivermos um plano completo, que vislumbra o verdadeiro caminho, peço no nome de seu filho amado, Jesus”.

Texto: Lucas Vicente.

* Tradução: King James Atualizada.