ESTUDO MULHERES DA BÍBLIA – Maria Madalena

Maria Madalena ou Magdala por ser dessa cidade, localizada no lado ocidental do lago da galileia, importante centro de comércio, principalmente de peixes, tinha certa influência helênica, como todo mundo judaico, mulher de posses, tornou-se uma discípula líder desde que foi salva por Jesus, qual havia sido curada de espíritos malignos e doenças. Estava com Jesus desde o inicio financiando seu ministério com outras mulheres Joana esposa de Cuza, servo de Herodes, Susana e muitas outras. E também participava do circulo das mulheres mais próxima do seu ministério, que era Maria Mãe de Jesus, Maria Mãe de Tiago e João e Salomé, quais estavam presente na sua doutrina, nos seus milagres e também na crucificação e sepultamento.

Uma coisa que não podemos confundir é que esta Maria não é adultera no texto de João, pois esta não tem nome referido, e no caso Jesus não expeliu demônios e curou de uma doença, mas levou ela ao arrependimento e fé que Jesus podia salva-la.

Também devemos desconstruir a imagem formada no período tardio entre o século III e IV pelo movimento Gnóstico, qual podemos dar conta mais exata nos pergaminhos de Nag Hammadi. Gnosticismo um movimento de heranças judaicas helênica, busca também sincretizar o cristianismo este seu modelo dual, numa polaridade masculino-feminina e reunida num matrimônio divino, que forma o deus desconhecido, continuamente gerador e pertencente ao reino da luz. Junto a esta ideia da atividade, temos o mito da Sofia, criadora do cosmos. Fundamental no pensamento gnóstico é a ideia de dualismo, tanto na contraposição luz-trevas como na oposição alma-corpo ou espírito-matéria e a ideia de que o homem faz parte da deidade. Desta forma necessita-se de uma parecera para Cristo, daí  construção da imagem de Maria Madalena, liga esta dualidade, por isso seu conceito não estará presente apenas no evangelho de Maria Madalena, mas também no evangelho de Tomé, Felipe, entre outros, que buscam neste movimento preservar seu conteúdo doutrinário.

Contudo esta construção esta em desacordo com a construção doutrina judaica do século I,  dos textos mais antigos do novo testamento que apresentam suas direções e representações simbólicas qual se formou o Cristianismo, além de não haver  nenhuma citação de tais textos ou do casamento de Jesus ou rejeição a esta doutrina Maria Madalena, pelos pais da fé. Pois realmente estivessem presentes no primeiro e segundo século eles teriam rejeitado e até possivelmente maquiar no Novo Testamento, algo que não ocorreu. Por isso observamos com clara construção gnóstica doutrina, que tenta difundir, além de não estar de acordo com a aparelhagem cultural dos formadores da cultura cristã e assim não indo de acordo com sua historicidade. Como escrever um texto como um testemunho ocular de algo que ocorreu no século XVIII, no Brasil, como aparelhagem cultural do século XIX e influencias claras da cultura estadunidense, ou seja, impossível ser testemunho valido historicamente falando.

Não quer dizer que Maria Madalena não nos deixou um incrível exemplo de fé, pois no evangelho de João capitulo 20, pois observamos junto Maria Mãe De Jesus e Mãe de Tiago, foram as primeiras a ver Cristo ressurreto, mesmo sabendo que no mundo paternalista judaico, não se amordaçar por isso, foi rapidamente anunciar aos apóstolos.

Esta prática tão clara que debocham de Maria, e vão de encontro ao túmulo e o vê vazio e a aparição de Cristo os levam a crer. Mostrando-nos que não importa como o mundo social nos vê ou nos considera, o importante é levarmos as boas novas. Está fé estava eternizada em Maria, por isso financiou ministério de Cristo, acompanhou de perto até o fim, creu rapidamente e anunciou sua ressurreição, pois não deixou sua colocação marginalizada naquele mundo de homens paralisar sua ação de fé e de anunciação.

E Você tem deixado este mundo tenebroso te Paralisar? Lembre-se atitude de Maria eternizada nas escrituras para reproduzimos no nosso tempos social.

Texto: Lucas Vicente.