Entendendo A Cruz

“[…] se alguém deseja seguir-me, nega-se a si mesmo, tome a sua cruz dia após dia, e caminhe após mim” (Lucas 9.23 – KJA*).

A cruz aqui apontada por Cristo, não é viver uma vida petista isolada nas paredes de uma instituição e seus círculos. E muito menos abandonar sua família e amigos. Não é isso que Cristo revela como informa na passagem abaixo:

“Se alguém deseja seguir-me e ama a seu pai, sua mãe, sua esposa, seus filhos, seus irmãos, e irmão e até sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo” (Lucas 14.26 – KJA*).

Ele revela que para carregarmos a cruz é necessário amar mais a Deus do que todas as coisas. Amar a Deus não é abandonar sua família, pois é um projeto de Deus, já que deseja fazer todos uma só família em Cristo. Por que a sua estaria fora, se Deus quer salvar a todos? Então para alcançar a sua casa não vai ser apenas orando, ou indo e vindo à igreja.

Mas amando ela, ouvindo-a, ajudando-a e passando um tempo com ela. Assim você carrega sua cruz, sua responsabilidade de transportar o Reino a essa realidade.

Sendo assim não basta à igreja para ter filiação com Cristo e alcançar a eternidade. É preciso antes de tudo, ser seu discípulo, isto significa o chamado de seguir.

A palavra contemporânea mais próxima de “discípulo” é, provavelmente, o termo “aprendiz”. Um discípulo é mais do que um aluno que aprende lições por meio de exposições orais e de livros. É alguém que aprende vivendo e trabalhando com o mestre, por experiências práticas diárias.

Muitos vezes nos contentamos em ser ouvintes que adquirem bastante conhecimento sem nunca colocá-las em prática. É hora de colocar em prática e sair das paredes de cristianismo dominante, para o cristianismo que é vida e amor para todos.

Pois somente com os nossos princípios diários em nossa rotina com nossos amigos, com nossa família e com nossos colegas de trabalho  iremos refazer este paradigma em que vivemos.

Texto: Lucas Vicente.

*KJA – King James Atualizada.