Discurso, Parábolas e Instruções – Sermão das Oliveiras – 18ª Parte: Mateus 24. 23 – 44 – Respostas

Terceira parte do Estudo Sermão das Oliveiras, que o é texto de Mateus 24.23 – 44. Para ler clique ao lado: (http://migre.me/jaS80).

OBS. Lembrando que essas respostas não são absolutas, mas são apenas para direcionar um estudo sobre a Palavra do Senhor.

1. Como Vs. 27-28 representam dois aspectos do fim dos tempos? Relacione com conceito 1, complemento 2 e a passagem II Ts. 1.6-10(Leia abaixo).

R: A referência do Filho do Homem é um conceito desenvolvido no Antigo Testamento, para profetizar a vinda do messias, Cristo utiliza deste preceito, nos Evangelhos Sinóticos, principalmente qual revela: primeiro sua humanidade de ordem única pois Ele é do céu, sendo assim Ele não só homem, mas filho do homem, que não nasceu da geração humana de pecado, e sim oriundo do céu, sem pecado algum. Então ele homem, contudo sem pecado inerente ao seu nascimento, por isso ao mesmo tempo é uma deidade, pois é verbo que se tornou carne, é Deus. Portanto Filho do Homem, aquele que nasceu dos homens, mas sem pecado, para acabar com maldição do pecado, isso ocorre porque é também o filho de Deus. Primeira referência do fim dos tempos é a segunda vinda de Cristo, que vem como Relâmpago, ou seja toda Terra verá sua vinda, seu brilho, com ele vão acompanhar alguns fenômenos cósmicos (Mt 27.31;I Co. 15. 12; I Ts. 4.16, 17). Ao mesmo tempo igreja que ficou santificada, será arrebatada aos céus, aqueles que não forem elevados, serão julgados e condenados, como mostra Texto de II Ts.1. 6-10, por isso Cristo em Mateus 24.29 refere-se “cadáver, aí se ajuntarão as águias (abutres) ”, ou seja os deixados serão entregues a morte, daí figura de abutres, que rodeiam os mortos os cadáveres, este e segundo elemento, do fim dos tempos, quem ficar será condenado. 

2. Baseado no complemento 1 e Vs. 29-31 descreve qual evento é relatado? Qual diferença com a descrição de Lc. 21.25-28 (Leia abaixo)? 

R. Vinda do Senhor não será algo desapercebido, mas haverá conjunto com sua vinda em glória e luz, que todos os homens poderão visualizar sinais cósmicos na Lua, no Sol nas estrelas, está mudanças na Lua, afetará as ordens da maré provavelmente haverá destruição do litoral, por isso as nações verão com terror, como também ordem do dia, será modificada, assim como é relatado em Mateus 24 e Lucas 21. 25 -28. A diferença entres os dois relatos, é que em Mateus identifica a queda de algum elemento cósmico, e Lucas fala que a maré será abalada gerando terríveis ondas que afetarem o mundo inteiro, contudo os dois indicam que fundamentos serão abalados. Então estes grandes eventos cósmicos, não viram antes de Jesus, sim conjunto, não será pequenos eventos, mas grandiosos que assolaram o mundo todo, que vai trazer terror a todos. Isto deve ficar claro porque muitas vezes usam esta passagem para informar algo que está ocorrendo na atualidade, temos que lembrar que estes eventos não serão locais, será no mundo todo, está completamente ligado a vinda Cristo, ou seja se aconteceu porque Cristo voltou, então não tem como ter ocorrido, pois não é antes, e sim conjunto com Cristo.

3. Como os Vs.36 – 44, apontam uma característica determinante na vinda do filho do homem? Qual lição prática nos deixa, Relacione com conceito 2 e as passagens Mt. 26.41; João 8.51 (Leia a abaixo). 

R. A característica marcante segunda vinda de Cristo, é que ele vem como o ladrão, ou seja quando ninguém espera, assim como nos dias Noé, as pessoas estarão vivendo sua vinda normalmente, de repente o fim virá. Por isso Cristo nos instruí a vigiarmos, nossa vida diariamente. Vigiar significa ficar acordado de guarda, ou seja devemos estarmos acordados nesta noite que vivemos, neste tempo que vivemos neste mundo, não deixando o totalitarismo da modernidade, nos dominar, o novo nos corromper, conformar, iludir, mas assegurarmos nossos valores e práticas não modificam e continuem constantes, ainda que haja erros, sempre os retomamos. Pois como disse Jesus em Mateus 26.41, nossa carne é franca, então devemos estar orando, lutando para que a palavra de Deus não saí de nosso coração para dar fruto, pelas coisas que circulam em nossa vida cotidiana, pois que não guarda-las estes não verão mais, já aqueles que perseverarem até fim estes alcançarão a Cristo, e a eternidade, com diz em João 8.51. Por isso a eternidade começa agora, cada instante que escolhemos, segui o caminho ou não. 

Texto: Lucas Vicente.

Conceitos:
1. Filho do Homem: “Filho do Homem” e o título que Cristo usou para aludira Si mesmo: Jo. 12.34 não e exceção, pois a citação feita pela multidão era advinda da declaração
que Ele fazia. O título e especialmente encontrado nos Evangelhos Sinóticos. Enquanto e titulo messiânico, e evidente que o Senhor o aplicou a Si mesmo de modo distintivo, porque indica mais que messiado. Até supremacia universal por parte daquele que e Homem. Portanto, põe em relevo Sua humanidade, humanidade de ordem única em comparação com todos os outros homens, pois e declarado que Ele e do céu. Ele não é apenas e homem, mas e “o Filho do Homem”, não pela geração humana, mas, de acordo com o uso semítico da expressão, participando das características (exceto o pecado) da humanidade que pertence a categoria do gênero humano. Ele e a mesma Pessoa como nos dias da Sua carne, ainda persistindo Sua humanidade com Sua deidade. O termo “semelhante a” serve para distingui-lo como visto lá na Sua gloria c majestade em contraste com os dias da Sua humilhação.
2. Vigiar: É usado acerca de: manter-se acordado e de guarda a noite, daí a ideia de vigilância espiritual.

Complementos:
1. Os fenômenos cósmicos acompanharão a volta triunfal de Jesus (Mc.8:31; Ap. 1.7). O brilho, como de um relâmpago, que o mundo inteiro verá é a Shekinah: a glória do Senhor (Is. 13.10; 24.21-23;34.2; Ez. 32. 7-8; Jl 2. 10,31; 3.15; Am. 8.9; II Ts. 1.6-10; Ap. 19.11-16). 

2. A segunda definitiva de Jesus Cristo será evento portentoso. Segundos, a glória e o brilho de sua presença varrerão o Planeta, e os salvos (sua Igreja) serão arrebatados, sumindo instantaneamente de toda Terra. (Mt 27.31;I Co. 15. 12; I Ts. 4.16, 17). Jesus cita um antigo provérbio para explicar seu gloriosos retorno será tão certo quanto o esvoaçar dos urubus (abutres) sobre um cadáver. Ou seja, o mundo está moribundo e os urubus já sobreviviam aqueles que morreram e lhe serviram de banquete (Lc. 17.37).

Passagens Bíblicas:
“É justo da parte de Deus retribuir com tribulação aos que lhes causam tribulação,
e dar alívio a vocês, que estão sendo atribulados, e a nós também. Isso acontecerá quando o Senhor Jesus for revelado lá do céu, com os seus anjos poderosos, em meio a chamas flamejantes. Ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão a pena de destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder. Isso acontecerá no dia em que ele vier para ser glorificado em seus santos e admirado em todos os que creram, inclusive vocês que creram em nosso testemunho”. (II Tessalonicenses 1.6-10 – NVI*). 
“Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações se verão em angústia e perplexidade com o bramido e a agitação do mar. Os homens desmaiarão de terror, apreensivos com o que estará sobrevindo ao mundo; e os poderes celestes serão abalados. Então se verá o Filho do homem vindo numa nuvem com poder e grande glória.
Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês”. (Lucas 21.25-28 – NVI*).
“Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca”. (Mateus 26:41 – NVI*).
“Asseguro-lhes que, se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte”. (João 8:51 – NVI*)

Baseados nos livros:
NOVO TESTAMENTO. Ed. Estudo. Tradução e revisão comitê internacional e permanente de tradução e revisão da Bíblia King James Atualizada. São Paulo; Abba Press, 2007. p. 1813 (Notas de rodapé 9-10).
W. F. Vine, Marrel F. Unger e William White Jr. Dicionário do Antigo e Novo Testamento. Rio de Janeiro; CPAD, 2002. p. 659 e 1059.

*NVI – Nova Versão Internacional.