DIA 31 – JESUS E O JEJUM

Mateus 6.16-18 (NVI):  “16 Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os outros vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam sua plena recompensa. 17 Ao jejuar, arrume o cabelo e lave o rosto,18 para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê em secreto. E seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.” [1]

 

Jesus termina seu ensino sobre as obras de justiça, sobre: ajudar o necessitado, oração, e agora falando agora sobre o jejum.

O judeu tinha prática semanal de jejuar, os fariseus pelo menos duas vezes por semana (Lucas 18.12). Mas, no entanto, os fariseus jejuavam para aparecer mais religiosos e espirituais para as pessoas, e assim o faziam publicamente para todo mundo ver.

 

Desde o início, do ensino de Jesus sobre a justiça, Cristo nos diz que toda “obra de justiça” tem que ser praticada em secreto com Pai, para assim receber recompensa. Da mesma maneira, ao ensinar sobre o jejum Jesus afirmou que esse jejum para aparecer para os outros, não passa de algo inútil e vazio, porque quem o pratica é um hipócrita.

 

Essa palavra na época de Jesus está ligada com a profissão dos atores, que encenavam personagens que não eram na verdade nos teatros greco-romanos. O jejum tem que ser algo que vem do coração, da prática das “obras de justiça” em relacionamento íntimo com o Pai celestial.

 

O jejum não muda Deus porque Deus é imutável (Malaquias 3.6; Hebreus 13.8), mas nos muda para alinharmos nosso coração com o coração de Deus, nossa vontade com a vontade de Deus e para tirar toda incredulidade do nosso coração (Mateus 17.19-21; Hebreus 3.13).

 

E não se esqueça o jejum também é uma prática comum na vida do seguidor de Jesus, porque Jesus não disse: “quando quiser jejuar”, ou, “se você jejuar”, mas afirmou “quando jejuarem” façam dessa forma o jejum.

 

Oração: “Pai, em nome de Jesus, que eu insira o jejum bíblico de sol a sol, ou seja, das 18h de um dia até às 18h do outro, com abstinência total de alimentos, na minha vida semanal, como tenho que fazer com a oração diariamente, e faça ambos em secreto contigo, porque eu te amor, Ó Deus da minha vida!

 

Texto e vídeo: Thiago Vicente.

 

[1] Nova Versão Internacional. (2001). (Mt 6.16–18). São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional.