DIA 30 – PERDÃO QUE PERDOA

Mateus 6.14-15:  “14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. 15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas.” [1]

 

Damos sequência na MENSAGEM DIÁRIA, com um adendo de adendo de Jesus sobre a oração, uma observação depois de ensinar como orar, e nos dar uma oração modelo: o Pai Nosso.

 

Aquilo que Cristo já havia dito no início do Sermão do Monte: “Bem-aventurados os misericordiosos porque obterão misericórdia”. Ou seja, Jesus está nos ensinando que para receber o perdão infinito de Deus, precisamos perdoar também quem quer que seja.

 

O que quero salientar é que apenas as pessoas que encontram o perdão de Deus, através da graça divina, um perdão eterno e infinito, é que podem conseguir perdoar os outros. Portanto, a solução para perdoarmos os outros, é em oração recebendo o perdão de Deus, teremos como dar o que temos, o perdão divino, que pela graça, é favor imerecido, agora para os outros.

 

As pessoas que não conseguem receber o perdão divino pela graça, porque acham que não merecem, ou porque acham que devem conquista-lo através de obras ou da religião, ou simplesmente porque não querem, não conseguem perdoar os outros.

 

E se não perdoamos não recebemos o perdão. Simples assim, e desta forma se revelando um perdão condicional ao nosso próprio.

 

Oração: Pai, eu decido, eu escolho perdoar tal pessoa, porque na Tua presença pelo sangue de Jesus, o sangue da Nova Aliança, recebo da sua Graça que me perdoa mesmo não merecendo, e dessa forma eu decido perdoar e esquecer o que fizeram comigo porque o seu perdão é superabundante na minha vida. Em nome de Jesus. Amém!

 

Texto e vídeo: Thiago Vicente

 

[1] Nova Versão Internacional. (2001). (Mt 6.9–15). São Paulo: Sociedade Bíblica Internacional.