Cure às Marcas do Passado

“Vejam! Uma águia, subindo e planando, estende as asas sobre Bozra. Naquele dia, a coragem dos guerreiros de Edom será como a de uma mulher que está dando à luz”. (Jeremias 49:22 – NVI*).

Decepções, perdas, quebra de confiança, traições e apunhaladas no peito. Quantos de nós já não passamos por tais desapontamentos. Quase sempre, de quem amamos muito e despendemos o nosso precioso tempo. A sensação que temos é que perdemos o chão e que um abismo se abrirá a qualquer momento. Tentamos prosseguir mais a caminhada fica difícil, pois as marcas desse passado dolente nos pressionam a todo tempo para baixo.

Como avançar? Como prosseguir? O que fazer para continuar e nos limparmos dessas dores, traumas que nos atormentam e nos impedem de ser livres?

Sentimo-nos como um passarinho com medo de voar, medo de cair e se machucar novamente ou bater de frente a um galho, uma árvore. Por isso, nenho lhe falar nessa manhã de um Pai curador, um Pai que nos espera de braços abertos e quer nos alçar a altos vôos.

Assim, Precisamos aprender a voar como as águias. Estas constroem seus ninhos em altos picos rochosos e ensinam seus filhotes a voarem com um empurrão ao meio do nada. Parece assustadora principio, mas as pequeninas águiazinhas após descobrirem suas asas, logo saem voando livremente e alçando altos vôos.

Desta forma, necessitamos descobrir as nossas asas, nosso verdadeiro propósito e nos libertarmos de todo medo, todo trauma de cair no abismo. Para isso, precisamos CONFIAR em nosso Pai e nos entregarmos de todo nosso coração na imensidão da vida.

Só assim poderemos alçar os altos vôos que o Pai celestial tem preparado para cada um de nós.

Ore: “Pai celeste; estou com as minhas asas machucadas e tenho medo de voar novamente. Os traumas do passado me sufocam e não me deixam voar. Quero voar livremente como a águia e fluir em ti como no primeiro amor, e assim alcançar os voos que tens preparado para minha vida. Me ajude, me de o empurrão que necessito. Pois estou pronto para voar. Amém”!

Texto: Danielle Costa Gomes Vicente.

* Tradução: Nova Versão Internacional.