Como era Sinagoga do Século I?

Como falamos semana passada da liturgia ou modelo de culto da igreja primitiva, mostramos como era muito próximo da sinagoga rabínica, pensamos nesta semana em explicar como era uma sinagoga e na próxima semana como era espaço de culto da igreja primitiva.

Sinagogas: E o termo hebraico paralelo Knesset é “Assembleia” ou “congregação”  as sinagogas na galileia dos séculos I e II, o contexto tanto de Jesus como dos primeiros rabis, devem ter sido assembleias ou congregações comunitárias locais. As antigas Sinagogas na Galileia instituíram o dogma de que os mais antigos edifícios de sinagoga conhecidos na palestina antiga datavam de aproximadamente 200 d.c. admitia-se que houve edifícios de sinagoga antes dessa data, mas que haviam sido destruídos nas duas revoltas judaicas de 66-70 e de 132-135.

Estrutura da Sinagoga:  O tipo basílica ou “galileu”, considerado “antigo”, apresentava fileiras retangulares de colunas dispostas principalmente no sentido norte-sul e uma fecham ( no lado estreito) voltada para o sul. Com três entradas. No tipo “transitório”, cujo principal subconjunto por uma “casa larga”, a orientação é para uma das paredes compridas e não para o fim ou parede curta o tipo “absidal”. Principalmente “mais tarde” tinha uma abside ( que apontava na direção de Jerusalém) separada do auditório como centro do culto, com entradas em uma ou mais das demais paredes. Devem ter sido um “trono vazio” sobre o qual a torá era posta durante a assembleia antes e/ou depois de sua leitura/recitação. Orientada para suas paredes meridionais, que tinham fachadas elaboradas. Essa direção foi em geral interpretada como uma orientação para a cidade santa de Jerusalém ( para a prática bíblica de rezar voltado para Jerusalém ver 1 Rs. 8,44.48; 2 Cr 6,34.38; Dn 6,11), maioria das basílicas “galiléias” as portas na parede sul estão numa posição contrária á determinações rabínicas de que as entradas das sinagogas deviam estar voltadas para o leste. Como podemos observar nas imagens abaixo:

Slide1

Slide2

Slide3

Funcionamento: Parece ter servido de modo mais geral como centro comunitário com diversas funções além da leitura, do estudo e da oração, entre essas incluir-se-iam reuniões públicas, debates e administração dos negócios comunitários realizados por líderes comunitários, coletas de esmolas, sessões dos tribunais locais, anúncios de achados e perdidos e talvez até refeições comunitárias. Portanto tinha uma função ser uma assembleia que trata de questões econômico-politicas e também religiosas. Além do sábado que era dia de ensino da Torá e celebração, havia dos dias de reuniões:  segunda e quinta, denominados dias da assembleia, onde reunia tribunais. Primeiramente era lida a Torá e depois assembleia do tribunal. Era também ocasião para definir dias de jejum público e de oração pública no pátio da cidade e até comercializar produtos.

Funcionários:  Havia os achisynagogos, um magistrado administrador ou superintendente, que erroneamente as traduções do novo testamento chamam de chefe da sinagoga. Era normalmente mais do que um que cuidava administração, direção da liturgia do culto e das assembleias. Também havia os parmasim e gabbain, tinha a função de coleta de doações e distribuição aos pobres, geralmente eram dois ou três. E o hazzan que era ao mesmo tempo o cantor e solista, auxiliava a  cerimônia religiosa e o cumprimento as decisões do tribunal, por exemplo açoitar os que foram sentenciados pela “casa do julgamento” . Outro era os hyperetes que incumbiam de guardar e entregar os rolos  da Torá, semelhantemente do caso de Luc. 4.16-20. Havia por fim os archontes (Magistrado) e presbuteoroi (anciões), eram em torno de 7 homens que julgavam pequenas causas e também eram lideras locais. Portanto a sinagoga era um espaço da comunidade, que tinha modelo democrático, com funções da administração local, das celebrações comunitárias e a coesão social.

Texto: Lucas Vicente

Referência:

HORSLEY,  Richard A. Arqueologia, História e Sociedade na Galileia:  o contexto social de Jesus e dos rabis. São Paulo; Paulus, 2000.  p. 83-86.

Imagnes retiradas da Bíblia Digital Glow.