Anestesiados

Gratidão e Alteridade, poderíamos definir estas palavras nos dias hoje como? Sentimento e atitude pouco lembrada e realizada por nós.

Temos a memória curta e ingrata, só nos lembramos do agora.

Alteridade, não, eu não preciso de ninguém sou auto-suficiente, eu já me basto, ajudar o outro pra quê? Ninguém me ajuda! Eu sou melhor, lutei para conseguir, esse outro que lute para isso!

Hoje vivemos no mundo fast-food, nossas perguntas e respostas giram e estão escravizadas pelo tempo, o nosso humor, a nossa alegria…?

Dependerá sempre se tudo estiver do jeito que eu quero, senão eu surto!

O próximo, que próximo, quem é o próximo?

O deus deste século, o nosso deus hoje tem sido…dEUs.

O que importa é o meu 100º par de sapatos, o meu carro novo, eu preciso trocar, ele não está combinando mais com as minhas roupas novas.

Porque EU mereço, EU trabalhei, EU suei para conquistar, o próximo não! Se for preciso eu piso em cima dele, ele já não é tão bom mesmo como antes.  O mendigo? Ele merece estar onde está, porque não procura um emprego?!  O órfão? Os pais dele é que são os culpados, eu não tenho culpa!

Vivemos em um “mundo” criado por nós mesmos, o nosso “mundinho particular egoísta – VIP”…

Onde fugimos da realidade, e fingimos que não é conosco, que não temos parte nisso, queremos dormir, nos embriagar, comer até não aguentar mais, curtir a balada até amanhecer para ver se o abismo que mora dentro de nós se torna um pouco menor!

Acordamos, trabalhamos, assistimos TV, comemos e bebemos, depois dormimos…e isso é bom, mas não é TUDO!

Estamos acomodados a viver sendo espectadores e praticando a injustiça com o nosso próximo, o nosso amigo, a nossa família, seja com quem for e aonde for. Nos omitimos, nos calamos e fingimos que nada aconteceu.

Porque vivemos anestesiados?

O que vale mais para nós? O que tem valor?  Fazer o bem ou ganhar mais dinheiro? Marcar a vida de alguém com um ato de bondade, ou ser exaltado e reconhecido pelos homens?

Tem alguém que não está incluído nessa realidade?

Texto: Vivian Vicente.