Já Cornélio pode ter sido um dos centuriões encarregados de manter a ordem, principalmente na região da palestina que era bastante turbulenta. Inscrições evidenciam que o Segundo Batalhão Italiano de cidadãos romanos serviu na Síria, que era capital da região do oriente médio, sendo assim, podem ter sido destacados para cuidar da ordem na palestina7 .

O termo piedoso e temente se refere a ele seguir as ordenanças da lei, como as regras morais, alimentares e reconhece o Senhor como o único Deus, mas não era circuncidado, assim, não era permitindo entrar no templo, numa sinagoga judaica, e muito menos ter um judeu em sua casa8 .

Além disso, podemos ver que o texto expressa três características principais de sua piedade, fazer sua família seguir os mandamentos, ajudar os pobres e oração. Elementos próprio da missão, que não só anunciar o reino, porém traze-lo a realidade:

a. Ensinar a Família: como autoridade de pai romano, sua família era sua posse, levando ele ter o governo desde da vida, o ensino, a moradia, o casamento até da morte dos mesmo 9 . Contudo, percebemos mais tarde no texto que a conversão de seus filhos foi sincera (At.10.44 - 45), seguindo a ordenança de guardar os mandamentos, que também significa passar para sua família, como é descrito em Gn.18.19 e Dt.6.210 . Até por isso, quando Pedro chega com a revelação do Senhor, Cornélio não tinha separado apenas sua família para ouvir, mais seus parentes e amigos mais próximos, demonstrando este desejo de compartilhar e orientar os mais próximos ao caminho do Senhor. (At.10.24). 

b. Esmolas: Já no segundo caso, as esmolas o termo esmola pode se referir também ao ato de misericórdia e piedade. No caso especifico de Atos 10, significa caridade expressa numa ação de suprimento ao necessitado11, cujo Atos situa com uma importante prática cristã, tanto na orientação do discurso de Cristo (Lc 11.41 e Lc 12.33), como na regra observada nas vidas de Barnabé e Dorcas, além de Cornélio12 .

c. Oração: O Judeu tinha três horários de orações, sempre seguidas do começo do dia e do termino, em que shemá era recitada somente no início e no entardecer do dia, e a dezoito bênçãos nos três horários. Assim pelo horário de sua oração possivelmente ele estava fazendo a oração das dezoito benções, uma intercessão, pessoal e nacional 13 . Contudo, a palavra oração 14 aqui utilizada significa “súplica falada” que retoma a ideia de estar intercedendo por algo determinado, bem específico, e surgem de uma necessidade real, esperando um socorro de natureza externa ou espiritual15 . O texto não se refere o bem especifico, contudo, pelo horário e tipo de oração do momento, e a resposta de aparente (At. 10.5, 10.34) era o desejo de redenção a Deus, já que possivelmente não se circuncidava por se perceber pecador, principalmente com sua atividade de guerra16 .

A revelação por sonhos, visões e mensageiros angélicos sãos meios das revelações comum do Antigo Testamento. Aqui, a expressão “subiram em memória diante de Deus” é uma comparação aos sacrifícios queimados no templo que subia ao céu17 , ou seja, que ela foi ouvida ou lembrada18 .

Texto: Lucas Guimarães Vicente.

7 Idem.

8 Para o termo Piedoso ver em: Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol. II. op. cit. p.1665. Em Atos, o “ temor a Deus” é descrito mediante a combinação de eusebès e phoboumenos (10:2): Deus é reverenciado no fato de o homem “ temer” a Ele, i.é, oferecer-Lhe veneração, adoração e sacrifício. Ao mesmo tempo, mantém-se a distância apropriada, porque o homem é um pecador. Explicase assim, também, o termo técnico que se emprega em Atos. Denota os gentios que adoravam o Deus dos judeus sem pertencerem totalmente ao povo dEle, i.é, sem a circuncisão e a observância minuciosa da Lei (At 13:43, 50; 16:14; 18:7). Já Temente ver em: Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol. I. Colin Brown, Lothar Coenen Org. 2° ed. São Paulo; Vida Nova, 2000. p.423. Expressão rabínica comum aos gentios que se convertiam e não se circuncisavam.

9 Paul M. História da Vida Privada. Vol. 1: do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. P. 19 - 23.

10 Novo Dicionário Internacional de Teologia e Exegese do Antigo Testamento. Vol. 4 Willem A. VanGemeren Org. São Paulo; Cultura Cristã. 2011, p. 181 - 183. O termo guardar no antigo testamento como verbo e uma ação dada desde Gn. 2.15, como substantivo é representado como uma instrução para o próprio bem (Ex. 23.13, 34.12, Pv 21.2 e Sl. 39.1) de responsabilidade religiosa e de autodisciplina (Is. 26.2 e Pv. 10.17) Dos pais ensinarem seus filhos no caminho do senhor. Além de ser uma expressão comum para sentinela, guarda e de atentar-se os olhos a algo.

11 Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol. I. op. cit. p. 1297.

12 Atos 4.36, 9.35 e 10.2 e 4..

13 DANIEL – ROPS, Henri. A Vida Diária Nos Tempos de Jesus. 3ª ed. rev. São Paulo; Vida Nova, 2008. p.388-390

14 Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol. II. op. cit. p.1437 e 1438. O Novo Testamento dá grande significância que, sempre quando o NT fala de petições dirigidas a Deus, ressalta que tais petições são atendidas (cf. Mt 6:8; 7:741; 18:19; 21:22; Jo 14: 13-14; 15:7, 16; 16:23-24, 26; 1 Jo 3:22; 5:1445; Tg 1:5). É como se as testemunhas no NT quisessem muito especialmente encorajar os homens a orarem, dando a certeza ao suplicante que Deus ouve tais pedidos. Em Mt 7:8, o fato de os pedidos serem ouvidos se declara como princípio básico do reino de Deus: “Todo o que pede recebe” . Este princípio é o fundamento da injunção, com a promessa que a acompanha: “Pedi, e dar-se-vos-á”. Alicerce deste pensamento é Mt 7:9-11. Deus é o Pai que ama os Seus mais do que um pai terrestre ama o seu filho, e que, portanto, não poderá deixar que as petições deles sejam em vão; pelo contrário, dá-lhes tudo quanto precisam. No entanto, que a oração que Deus atende deve ser o tipo certo, ou seja, aquele segundo seu propósito. (Mt. 7.11, Jo 15:7, I Jo. 5.14)

15 Idem, p. 1440-41.

16 Wesley reforça esta perpectiva afirmando que Cornélio “estivera orando por instrução a respeito de como adorar a Deus da maneira aceitável. WESLEY, John. Notas Explicativas de John Wesley sobre o Novo Testamento: Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Tomo I. Belo Horizonte; Filhos da Graça/Noah Edições, 2015. p.316, nota 10.31.

17 Conceito também presente em Sl. 141.2.

18 Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. Vol.I op. cit. p.1256