"Enquanto escondi os meus pecados, o meu corpo definhava de tanto gemer. Pois de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; minha força foi se esgotando como em tempo de seca. Pausa. Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobri as minhas culpas. Eu disse: "Confessarei as minhas transgressões ao Senhor", e tu perdoaste a culpa do meu pecado." (Salmos 32.3-5 – NVI*) 

Quanto tempo temos vagado, sem saber o rumo a seguir, se é dia ou noite, nossa vida se arrasta e nosso interior constantemente se desmorona, ficamos perdidos nas dores, erros, magoas e medos. Caminhando como em um dia congelado, uma alma congelada, que não sente e não vive. 

Vivemos um tempo onde aparência é tudo, um tempo onde sentimentos são fraquezas, temos que demonstrar que vivemos uma vida alucinada de felicidade e beleza, para assim se formar o corolário da vida tecida em frações de fotos, imagens distorcidas do que somos.

Programados a sorrir, a viver sem pensar, passamos nossas vidas morrendo por dentro, assumindo tudo sem dividir com ninguém além de nós mesmos. Davi mostra um sentimento congruente a esta ideia, ele era o Rei, era a imagem para todos, como tal não podia ter dores, medos e muito menos erros, por isso calou seu lábios para o que vivia. Ele destruiu de tal maneira o seu interior que seus ossos doíam.

Nossa vida pode parecer uma imensidão contínua de dor, um maldito sonho que não despertamos. Nesta rima não sabemos quem somos, nem para onde vamos. Vivemos uma vida apenas de sobrevivência, dentro de nossas pálidas máscaras.

No entanto Deus nos espera, nos chama, a entregar o que resta de nós a Ele, parece uma frase clichê colada num adesivo, mas é mais do que isso, pois confessar, gritar, chorar, nos acorda deste sonho maldito, deste fingimento e quebra nossas máscaras e nos traz uma realidade de uma vida para além da sobrevivência.

Nos permiti expugnar todos males e entender que é Cristo, Ele é a riqueza de nossa esperança, ainda que sombras da morte tentam corroer nosso coração, direcionamos nosso olhar e nossa voz para quem realmente importa e pode mudar nossa vida e nossa face.

Texto: Lucas Vicente.

* Tradução: Nova Versão Internacional.