"Então Agripa disse a Paulo: "Você tem permissão para falar em sua defesa". A seguir, Paulo fez sinal com a mão e começou a sua defesa: "Rei Agripa, considero-me feliz por poder estar hoje em tua presença, para fazer a minha defesa contra todas as acusações dos judeus, e especialmente porque estás bem familiarizado com todos os costumes e controvérsias deles. Portanto, peço que me ouças pacientemente." (Atos 26.1-3)

3. Defesa de Paulo Diante Agripa II – Atos 26

A. Introdução:

Com o Pedido de Paulo a César, Festo, tem um grande problema, que tem enviar um condenado a Nero, ser saber, o porquê? Em qual acusação, podendo diminui-lo aos olhos do Imperador. Assim a visita de Agripa II, era uma prática comum, do Rei da Judeia, para nova autoridade romana na região, o ideal ter bom relacionamento, para garantir seu poder. Assim, o caso de Paulo, demonstra uma maneira dos dois poderes agirem juntos, estreitar laços. Por isso, Agripa II aceita avaliar o caso de Paulo, e ao mesmo tempo, seria interessante para Festo, que uma pessoa de conhecimento das tradições judaicas, pudesse dar um apontamento para azer corpo de acusação a Paulo.

Agripa II é o último da dinastia Herodes a governar a Judeia, sendo bisneto (Herodes, o grande). Vivia incestuosamente com sua irmã Berenice, que posteriormente será amante, do Imperador Tito Vespasiano (o mesmo que destruiu Jerusalém, e abrigou Josefo), e fez de tudo para faze-la sua imperatriz, sem sucesso, obviamente pela sua origem judia.

Texto: Lucas Guimarães Vicente.