A vida, o homem e o tempo, sua relação, seu mundo, sua sociedade, uma estrutura milenar, única constituída por um caráter cultural, movimento de longa duração do tempo, que suas ressonâncias formam o que somos hoje.

 Contudo pergunto o que somos hoje? O que você é? Na temporalidade atual, você é seu trabalho? Professor, vendedor, estudante, será que só o trabalho resume o que somos?

Você é sua família, seus traços de familiaridades e relacionamento, que podem revelar com mais proximidade o que você é, mas consegue totalmente situar o que é? Será que somos apenas esta relação do privado e do público. Apenas seres que vivem, trabalham e constituíam famílias, depois passam como neblina.

O homem sem Deus é como o vapor que sobe e depois desaparece, pois sua existência se torna sem sentido e sem rumo.

Por isso Deus, nos chama em amor, para vivermos com um propósito e um chamado, e assim criarmos um ideal de vida, um modelo de atitudes para alcançar esta vida.

Não se reprimindo numa roupa religiosa, mas na liberdade de não viver alienado apenas na sentença de buscar uma felicidade própria e ilusória, e sim de fazer a diferença na comunidade em que vivemos.

Por isso Jesus nos chama para sermos luz, não apenas na igreja, como pastores, diácono, membros ou algo do gênero, no entanto em todos os espaços da vida e do tempo.

Deus então nos designa em nossa vocação, um meio para transformar vidas, tempos, realidades, seja como um escritor, seja como um pai, seja com um amigo, seja como estudante. Em todas as instâncias, Ele te chama a cultivar o amor, cultivar a vida, fazer de sua existência mais que um trabalho ou um lugar social, mas um sentido para muitos.

 Portanto tudo que  lemos, escrevemos, falamos e pensamos, seja a vontade de Cristo, seja para o bem, “E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus” (Colossenses 3.17). Esta seja nossa oração diária.

Texto: Lucas Vicente.