Este breve vídeo nos traz uma breve conceituação de Deus em meio a um raciocínio cosmológico.

Mas que entender as leis termodinâmicas e entender a cosmologia, devemos entender a razão de Deus.

Deus é nosso pai, nosso criador e Senhor, certo?

Se for então suas vontades e diretrizes devem estar segundo Seu querer, não porque é egocêntrico ou ditador de pessoas, mas porque sabe o melhor para nós e para todos.

Parece simples, mas pare para pensar, se sociedade em que vivemos, vivesse os dez mandamentos:

  1. Não terás outros deuses diante de mim.
  2. Não farás para ti imagem de escultura, para adorar.
  3. Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão.
  4. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus, dia de ficar com família buscando a Deus e aprendendo de sua lei.
  5. Honra a teu pai e a tua mãe.
  6. Não matarás.
  7. Não adulterarás.
  8. Não furtarás.
  9. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
  10. Não cobiçarás.

Será que viveríamos vendo a violência, desigualdade, corrupção e falecimento das famílias?

A independência do homem a Deus nos levou a algum lugar além dos citados a cima, nossa democracia produziu bem estar para todos, ou somente e novamente de alguns? Nossas leis acabaram com a maldade, ou só criaram novas maneiras de burlar e ser impune?

Então se a sociedade se volta-se novamente para os valores de Deus, organicamente, não impondo como num Estado, pois a história da idade média já mostrou que não da certo, e assim podemos novamente visualizar esperança.

Para isso, cabe ao Homem ouvir diariamente a palavra de Deus, para toma-la como verdade e assim ensinar seus filhos, para entender que elas são mais importantes que sua própria liberdade ou bem estar, pois são estas palavras que traz o bem de todos.

Esta é a razão de Deus, todos bem, por isso formou sua palavra para que fosse perseguido este propósito e todos vivessem bem.
Ou Podemos continuar a insistir nesta desventura humana na qual já conhecemos o final que é repetido desde eras das civilizações.

Texto: Lucas Guimarães Vicente.