“Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar”. (Deuteronômio 6:5-7 - NVI*)

Somos espelhos que as crianças são construídas por eles, dizemos:

- Nossa como meu filho é desobediente, chato, mentiroso...e ai vai!

A criança começa a pensar eu sou assim mesmo, porque meus pais falam que eu sou. Os comportamentos contam uma história, não devemos olhar de imediato aquele comportamento com uma indicação do que meu filho é, mas de alguma necessidade que ele está passando, e daí deixamos o caminho aberto para conversar e tentar ajudar naquilo que ele está em conflito.

O diálogo abre uma ideia, uma maneira de resolver as situações, a criança se sente vista, percebida e amada.

Cuidado com as expectativas PAIS, nós temos vários sentimentos a vida toda, a criança está sendo desafiada em todos os momentos, e os pais ficam pensando e vigiando a atitude do filho, será que ele vai fazer o certo? Lembrar de quando o seu filho nasceu, ele precisava inteiramente e você como pai e mãe estava esperando somente um sorriso, um gesto.

Quando você dá um rótulo positivo também prendem as crianças.

Convite: Brinque com seus filhos, vamos ver quem se troca mais rápido, mais bonito e arrumado? Vamos ver quem arruma a cama mais bonita?

ORE: "Pai nos ensine e nos ajude a sermos bons pais".

Retirado do vídeo: Rótulos (Psicóloga Daniella Freixo Faria)

Texto: Vivian Cristina Thomazinho Vicente.

*Tradução: Nova Versão Internacional.