"Semelhantemente, ensine as mulheres mais velhas a serem reverentes na sua maneira de viver, a não serem caluniadoras nem escravizadas a muito vinho, mas a serem capazes de ensinar o que é bom. Assim, poderão orientar as mulheres mais jovens a amarem seus maridos e seus filhos, a serem prudentes e puras, a estarem ocupadas em casa, e a serem bondosas e sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja difamada." (Tito 2.3-5 NVI).

A passagem não dá uma idade específica para as “mulheres mais velhas” que devem discipular as mulheres mais jovens. Dado o conteúdo do que elas devem ensinar, suas principais qualificações parecem se centralizar na maturidade espiritual. É claro que a idade cronológica fornece experiências de vida e perspectivas que são valiosas, mas a realidade é que toda mulher e menina cristã deve se considerar tanto uma mulher mais velha quanto uma mulher mais jovem. Devemos buscar mulheres que podem nos encorajar e capacitar para viver para a glória de Deus, mesmo que busquemos discipular outras mulheres na feminilidade bíblica. ( HUNT, Susan)

Não podemos perder nossa identidade feminina. A mídia, a sociedade em que vivemos tenta destruir os atributos que Deus delegou as mulheres distorcendo a figura da mulher a se igualar ao homem em seus atributos morais, físicos e até sexuais.

A Palavra de Deus nos diz: SEJA EXEMPLO!

Você é?
"Procurem fazer o que é certo e não o que é errado, para que vocês vivam. Assim será verdade o que vocês dizem, isto é, que o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, está em vocês.” (Amós 5:14)

Texto: Mônica Guimarães Vicente.