Back to Top

Novo Logo Mensagem Diaria

Tolerância E Reforma - Parte II

Questões políticas estão envolvidas na história da igreja, o jogo de poder e controle de uma sociedade é irresistível neste embate. Implicando diretamente neste ato de barbárie ocorrido na França, que hoje é um país onde a liberdade de pensamento e de religião são conservadas, em virtude da Declaração de 1789sobre os Direitos do Homem e do Cidadão. A República é fundamentado no princípio da laicidade, imposta pela lei de 1880, e da lei de 1905sobre a separação das Igrejas e do Estado.

No entanto a lei não funcionou neste caso, estes jornalistas não respeitaram a religião muçulmana, ferindo seus seguidores, em contrapartida o sentimento de vingança foi latente e consumado.

Desta forma atos neste sentido tem ocorrido nos meios evangélicos em todo o mundo, na igreja brasileira em especial vemos uma discriminação e concorrência entre as próprias denominações, mas também entre outras ideologias. O ser humano está ficando totalmente avesso ao diálogo, o que torna o mundo do autor judeu Martin Burber, distante do “Sonho de um mundo dialógico”, num ato relacional que nos revela que sem o outro não existimos.

"Porque, para com Deus, não há acepção (separação, exclusão) de pessoas". (Romanos 2.11 - ARA*)

*Tradução: Almeida Revista e Atualizada.

Texto: Vivian Cristina Thomazinho Vicente.

Vivendo Pela Fé

“Todavia, o meu justo viverá pela fé; e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma.”(Hebreus 10.38, ARA).

Deus derramou Sua graça sobre todos os homens (Rm 5.18). Pois Deus amou todo o mundo (Jo 3.16), e não faz acepção de pessoas (Rm 2.11). No entanto para haver salvação, não futura, mas agora, no presente, e mantida para sempre é necessário ter uma fé viva (Rm 10.9-10, Lc 19.9).

Não fé: na árvore, no pé-de-coelho, no amuleto, na imagem, no dinheiro, na instituição, nos homens, na cartomante, nos signos, nas simpatias, no espírito guia, no passe espiritual; mas em Deus através da pessoa de Jesus Cristo, o Deus Filho, que nos conecta com Deus (Jo 14.6).

Jesus é a senha para chegarmos em Deus. E se assim o fizermos, vamos fazer pela fé. Ora um celular por mais que tenha a senha Wi-fi de uma rede, para navegar na internet a vontade, não vai funcionar se a bateria estiver descarregada!

Da mesma forma, a fé é a bateria que nos mantém conectados com Deus, através do Espírito Santo que está em toda terra, mas precisa de uma senha para acessá-Lo, que é Jesus Cristo.

Por isso reintegro, é de suma importância mantermos as nossas baterias carregadas. A fé vem por ouvir a pregação da Palavra de Deus (Rm 10.17), também é dada pelo Espírito Santo (Gl 5.23; 1Co 12.9); e repartida por Deus sobre cada um de nós (Rm 12.3).

Seja como for, Deus através do Filho, Jesus Cristo, é o Autor e Consumador da nossa fé (Hb 12.2). Precisamos manter a nossa fé carregada, ligada: lendo a Bíblia, ouvindo as pregações, louvando a Deus, participando dos Cultos, da Escola Dominical, dos Pequenos Grupos, da Oração de sexta-feira; porque o mundo suga toda nossa energia, a ponto de desligarmos da fé.

Por isso vivemos pela fé, justificados com Deus através de Jesus Cristo, porque senão, se voltarmos e colocarmos a fé em qualquer outra coisa, vamos retroceder, voltar, como um cão volta para o vômito, e uma porca para a lama (2Pe 2.22); e Deus não vai se agradar de nós, porque escolhemos nosso próprio caminho, nossa própria forma de viver, e seremos julgados com maior rigor, pois já conhecemos a verdade (Lc 12.47)!

Oremos: "Senhor nos ajude a nos manter diariamente conectados ao Senhor, para que assim a nossa fé esteja viva e prática! Em Nome de Jesus te pedimos!"

Texto: Thiago Guimarães Vicente.

*ARA - Almeida Revista e Atualizada.

Justiça do Reino - Parte 3

O livro de Mateus 6.1-18, marca uma das partes centrais do sermão da montanha, onde não só critica a perspectiva de justiça dos Fariseus, mas indica o modelo real e verdadeiro. Assim o legalismo farisaico, tinha uma rotina metódica, de esmolas, orações e jejuns, elementos externos de se apresentarem, como justos e praticantes dos mandamentos. Neste último estudo estaremos observando o sentindo real e correto da oração.

Quando jejuardes, não vos mostreis com aspecto sombrio como os hipócritas; pois desfiguram o rosto com a intenção de mostrar às pessoas que estão jejuando. Tu, porém, quando jejuares, unge tua cabeça e lava o rosto. Pois, assim, não parecerá aos outros que jejuas; e, sim, ao teu Pai em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.. (Mateus 6. 16 – 18 – KJA*)

Em terceiro Jesus, fala sobre o jejum, pois os judeus jejuavam todas as segundas e quintas-feiras. E faziam de modo visível para todos verem. Sem dúvida, seu objetivo era receber o louvor dos homens, e, com isso, perderam as bênçãos de Deus. Não é errado jejuar, se fizermos da forma correta e pelos motivos certos. Jesus jejuava, e também os membros da igreja primitiva praticavam o jejum. O jejum é abster-se de comer alimento por um determinado tempo para dedicar-se á oração e meditação, bem como interceder por algum motivo especial. Por meio do jejum o cristão se dedica a Deus e se prepara para exercer o ministério.

Assim como as ofertas e a oração, o verdadeiro jejum deve ser feito em particular, apenas entre o cristão e Deus. Aquele que "[desfigura] o rosto" (apresenta uma expressão abatida, com o objetivo de gerar piedade e receber elogios) contraria o propósito do jejum. 

Aqui, Jesus apresenta um princípio fundamental da vida espiritual: tudo o que é verdadeiramente espiritual nunca infringe aquilo que Deus nos deu na natureza. Deus não destrói uma coisa boa para construir outra. Se alguém precisa parecer miserável para ser considerado espiritual, há algo de errado com seu conceito de espiritualidade. 

Portanto, É importante lembrar que a hipocrisia nos priva da realidade na vida cristã. Colocamos a reputação no lugar do caráter, as palavras vazias no lugar da oração e o dinheiro no lugar da devoção sincera. Não é de se admirar que Jesus tenha comparado os fariseus a sepulturas limpas por fora, mas imundas por dentro!

Ore: “Senhor nos ajude termos uma vida no Senhor sem nenhum resquício da religiosidade e de hipocrisia. Porém, o nosso centro sempre seja o Teu Reino e o próximo e nunca a nossa imagem e símbolo para qualquer espaço e comunidade. Pedimos em nome de Jesus”.

Texto: Lucas Vicente.

*KJA – King James Atualizada.

A Vida Diária nos Tempos de Jesus

Jesus viveu a maior parte de sua vida em Nazaré, já que tinha voltado do Egito por volta de 6 a 9 anos. Já que não sabemos ao certo qual foi a data da Morte de Herodes o Grande, se foi no ano 1 d.C. ou no ano 4 d.C. Sendo assim Jesus viveu cerca de 24 a 21 anos na cidade de Nazaré na Galileia. A região da galileia segundo o Arqueólogo Horsely havia em torno de mais ou menos 200 aldeias de em média 300 habitantes, diferindo dos escritos de Josefo que demonstrava que havia 238 cidades. Nesta região haviam duas grandes cidade Tiberíades e Séforis, a primeira construída por Antipas e a segunda reconstruída com toda glória que uma cidade romana poderia ter. E mais três ou quatro pequenas cidades, como Cafarnaum.

Leia mais aqui

Estudo das Mulheres da Bíblia

Vamos comparar em um relacionamento marido e mulher. Quanto mais o casal se conhece, mais vai tendo intimidade, sabe como agradar ao parceiro. E na vida com Deus como funciona? Digamos que da mesma forma. Quanto mais nos esforçamos para conhecê-lo mais intimidade com Deus teremos e saberemos qual a sua vontade, o que lhe agrada e o que lhe entristece.

Porém precisamos nos esforçar para conhecer a Deus para avançarmos em nosso relacionamento com ele. Muitas vezes reclamos que não ouvimos a sua voz mas nem sequer paramos para conversar com Deus, ou ás vezes só falamos e falamos e não paramos para ouvir o que ele tem a dizer.

Leia mais aqui

 
 

sombra1

Copyright © 2011-2015 - Mensagem Diária logosg